CAMPO SEMÂNTICO

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W Z

Contador de Visitas

Na Internet desde 2005.
mod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_counter
mod_vvisit_counterToday4502
mod_vvisit_counterYesterday10255
mod_vvisit_counterThis week21987
mod_vvisit_counterLast week61434
mod_vvisit_counterThis month284279
mod_vvisit_counterLast month234166
mod_vvisit_counterAll days13562638

We have: 90 guests, 8 bots online
Your IP: 54.196.30.47
 , 
Today: Set 30, 2014
Nº de colaboradores: 178

Estatísticas

Há 1609 verbetes publicados

CAMPO SEMÂNTICO

Conjunto de palavras unidas pelo sentido. Por exemplo, o campo semântico de mãe inclui: mãe-de-família, mãe-de-santo, mãe solteira, terra-mãe, mãe-de-água,… Deve-se evitar a confusão entre campo semântico e campo associativo ou conceptual, porque este não dá conta das relações linguísticas entre os termos considerados. O campo semântico é, pois, toda a área de significação de uma palavra ou de um grupo de palavras. Se quisermos descrever o campo semântico da palavra luva, por exemplo, incluiremos nele todas as possibilidades semânticas como: luvaria, luveiro, assentar como uma luva, atirar a luva, de luva branca, deitar a luva, macio como uma luva. Foi Jost Trier quem desenvolveu a teoria dos campos semânticos. Não é possível demonstrar que todo o vocabulário esteja coberto por campos semânticos. A teoria dos campos semânticos tem-se concentrado apenas em alguns grupos bem definidos como as cores, as relações de parentesco, as experiências religiosas, etc. Segundo Stephen Ullman, “a teoria dos campos fornece um método valioso para abordar um problema difícil mas de crucial importância: a influência da linguagem no pensamento. Um campo semântico não reflecte apenas as ideias, os valores e as perspectivas da sociedade contemporânea; cristaliza-as e perpetua-as também; transmite às gerações vindouras uma análise já elaborada da experiência através da qual será visto o mundo, até que a análise se torne tão palpavelmente inadequada e antiquada que todo o campo tenha que ser refeito.” (Semântica, 4ªed., Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 1977, p.523).

Bibliografia

A. P. Ushenko: The Field Theory of Meaning; J. Lyons: Semantics (1977); J. Trier: Der deutsche Wertschatz im Sinnbezirk des Verstandes (1931); L. Weisgerber: Vom Weltbild der deutschen Sprache, 2 vols. (1953-54); Suzanne Öhman: Wortinhalt und Weltbild (1951).